R. Dr. João Colin, 1285 - América, Joinville - SC, 89201-010, Brasil

©2020 por Instituto Realiza Terapias Integradas.

  • Denise Andreatta Zimmermann

Faça acontecer no ambiente de trabalho. Sabe como?


FAÇA COM QUE O CRIATIVO QUEIRA SEMPRE TRABALHAR PARA VOCÊ


Estimule a descontração. Só conseguimos o que cultivamos. O ambiente dá o tom das relações. Quer alegria nos criativos e produtivos? Cultive o ambiente alegre. Provoque a integração com cafés compartilhados, roda de bate papo, pequenas festas, enfim, momentos de descontração.


Lembre-se que quando a pressão pela tarefa some muitas ideias excelentes surgem. Fluem do inconsciente para o consciente as ideias que estavam sendo pensadas quando as pessoas relaxam. Assim, as mentes criativas tornam-se mais ativas.


Outra forma de suavizar o ambiente, é a Horizontalização Organizacional. Estruturas de hierarquias rígida, comando-e-controle não funcionam com esse tipo humano. Títulos hierárquicos idem.


Criativos gostam do respeito e de respeitar com base na sua relevância no trabalho ou tarefa, não por seu título hierárquico. E sabem que essa relevância é meramente circunstancial. Hoje, nesse projeto você pode ser o 'bambambam'. Todos te prestam continência por seu conhecimento e capacidade de resolver problemas. Mas amanhã, em outro projeto, você pode ser apenas o cara que traz café para os relevantes, faz os prints ou confere erros de digitação.


Saber conviver com esse poder circunstancial é básico no trato com os criativos. E se eles percebem que isso não acontece no ambiente (novamente a metáfora dos 'gatos'), abandonam o lugar.

Alimente a Justiça. Dar crédito para quem faz, quem tem a ideia. Porém cuidado para não dar poder de censura ao criador original, do contrário os demais não poderão sugerir melhorias e versões posteriores. O crédito é de quem fez, mas o poder de veto é coletivo. Celebre o Fracasso. Sempre celebramos o sucesso e registramos a memória para uso futuro, os famosos casos de sucesso, referência, etc. Porém isso traz dois problemas: ocultar erros e pior, não aprender com eles. Portanto, casos de insucesso notório também precisam ser cultuados. Não pelo resultado, mas pelo aprendizado. Certamente podem ser de valia para evitar casos semelhantes futuros. Muita gente deixa de ser criativa por medo de dar sugestão, ou pior, de ser responsabilizado depois se a execução for mal feita. Isso cria um clima negativo de criatividade. Se todos se derem conta que o insucesso traz aprendizado e esse aprendizado precisa ser compartilhado, mais fácil entender que a falha é parte necessária de qualquer negócio. Obviamente que existem formas ótimas de errar: a custo baixo, sem consequências extremas, de baixo risco. Quando os erros ótimos não são punidos, encorajam os criativos a tomar riscos controlados, evitando que boas ideias morram de origem, apenas por medo. Tenha Mentores. Normalmente um criativo não tem conhecimento de todos os processos da empresa, principalmente os burocráticos. Um mentor interno, um "mecenas da ideia", é necessário, para fazer a ideia caminhar pelos corredores da aprovação interna. E esse mentor não precisa ser um criativo, pelo contrário, um experimentado eficiente em processos internos. O trabalho dele é fazer a ideia caminhar, tirar as pedras do caminho. Semeie Desafios. Independente de quem esteja envolvido no projeto, avise todos que a organização tem um time trabalhando em um determinado desafio. Criativos em geral tomam isso como um oportunidade extra, mesmo que não seja de sua área e passam a pensar no tema como um quebra-cabeça. Acabam sempre tendo alguma ideia diferente que pode colaborar com o time responsável. Fale a língua dos criativos. Se você não é expert no tema, mas precisa interagir com os criativos da área, antes estude o linguajar. Criativos tendem a te ignorar quando percebem que você não percebe e eles não tem tempo a perder contigo explicando o que para eles é obvio. Querem sim, tomar o tempo explicando o novo, a descoberta, a criação. Quando o gerente vira aluno, ganha respeito dos criativos.

Neutralize os Negativos. Sempre fácil rejeitar uma ideia achando que não vai dar certo. Principalmente verbalmente, quando a velocidade do feed-backparece mais importante que a fundamentação. Quando uma ideia é muito rejeitada, sugira que o feed-back negativo seja dado por escrito para fins de registro e aprendizado posterior. Ao ter de justificar a negativa por escrito, deixando evidência e tendo de apresentar argumentos lógicos ou números, normalmente o crítico tende a aliviar ou deixar brechas para a ideia prosseguir, isso quando não mudam de ideia totalmente. Flexibilize Processos. Muitas vezes a burocracia impede a ideia ou reação acontecer no tempo certo. Se o custo for baixo, permita exceções e 'atalhos' eventuais. Ter processos não é ruim, mas ter processos que impedem o avanço, é muito ruim. Em resumo, é o Ambiente (o terroir) que traz boas vinhas. Cuide dele primeiro, que naturalmente boas 'sementes' virão até você.


Ficou interessado em saber mais, leia o livro Encontrando o próximo Steve Jobs de Nolan Bushnell


E você agora responda: como estão as suas práticas para retenção de seu pessoal?


Aguardo a sua resposta.