Falta pouco! Novo ano está na porta, o que fazer?

Atualizado: 6 de dez. de 2019




Como passou rápido! É o que mais ouço das pessoas por estes dias. Pois é, já é dezembro e falta pouco para o ano acabar e o novo começar.


Bem, só que não só isso. Fecha e começa. Assim só se é passageiro da vida! Se você quer isto, tudo bem. No entanto, se não: então este post pode ser útil para você.


... estamos criando o futuro a todo momento... senso de possibilidade!

Joseph Jaworski


Uma vez que agora é hora de avaliar a jornada percorrida nestes últimos meses. Já vi que alguns fazem uso de uma ferramenta da qualidade muito difundida na década de 80, do século passado, o PDCA. Avaliar o ciclo e construir novas metas.


E aí! O que encontram...


Alguns veem que valeu a pena o ano, conquistaram o que foi idealizado – alcançaram sua lista de desejos - realizaram suas metas, desdobraram em ações, executaram, reavaliaram para corrigir rota e chegaram em algum lugar. Podendo até ter superado os desejos iniciais da lista.


Outros... também, no início do ano, fizeram sua lista de desejos. Visualizaram concretizando o que sonham. Só que.... uhm.... durante o ano, nem olharam a lista, nem fizeram coisa alguma. Esta lista é pega agora. Constatam: não fiz nada. Desespera-se, alguns, por perceber que o tempo passou e que nada foi feito, deixou-se levar pela vida.


Uma frase que li a tempos atrás faz sentido nesta hora...


"Deve-se ter em mente que a tragédia na vida não está em não alcançar seu objetivo. A tragédia reside em ter nenhum objetivo a alcançar." Benjamin Mays


Isto mesmo, fez a lista de desejos – só lá. Não transformou em um objetivo, não se criou estratégias para ser perseguido. Só sonho... nada mais.



ENTÃO, O QUE VOCÊ QUER PARA VOCÊ NO PRÓXIMO ANO?


Chegar no final e ver que sonhos se transformaram em realidade. Show. Ou concluir o ano e ver que nada foi feito. Uhm.


A escolha é sua!


EXERCÍCIO PROPOSTO PARA FAZER O PRÓXIMO ANO O MELHOR DE SUA VIDA


Antes de iniciar as tarefas – que são três. Pegue um caderno, escreva nele – meu diário – escreva o seu nome, o ano, e descreva em breves palavras como você se percebe neste instante – tente investigar em si suas ações, emoções e pensamentos que estão recorrentes nestes últimos tempos em sua vida.


Feito isto, você pode começar cada uma das tarefas. Só tenha o cuidado de dedicar o tempo que você quer em cada uma das tarefas. Somente com tempo de qualidade a cada passo é que se constrói possibilidades para se viver a melhor versão.


Então, faça um esforço e inicie a sua jornada das tarefas para avaliar o ano e construir novos cenários, neste universo de possibilidades que fazem sentido para você e dê propósito a sua passagem por aqui.




PRIMEIRA TAREFA: Cite três coisas mais importantes que você realizou neste ano.


Cenários possíveis de resposta, constata-se que:


  • SOBREVIVERAM. Constatam que após procurar por algo importante que realizaram no ano, só encontram ações de sobrevivência, nada mais. Torna-se então uma pergunta muito deprimente.


  • REALIZARAM. Identificam que o ano valeu a pena, concretizou sonhos, transformou possibilidades em realidade. Isto é, vive uma vida com significado, que dezembro deste ano está mais a frente na “estrada para uma vida significativa” que estava no ano anterior. Caminhou. Aproveito as subidas, os desvios, as curvas. Seguiu em frente. Seguiu o coração e conquistou aprendizados.


E agora, qual foram as suas três maiores realizações deste ano para você?


Ah... o que a maioria deseja é ter uma jornada com significado. A maioria de nós gostaria de terminar o ano com algum sentido, em termos concretos, que estamos mais ao longo da "estrada para uma vida significativa" do que estávamos no mesmo período do ano anterior.


Saber que valeu a pena viver o que se viveu!



SEGUNDA TAREFA: inicie a sua Autoanálise


Antes de pegar uma caneta e papel e começar a listar as metas para o ano. Para um tempo para refletir sobre a vida.


Isto não só dá perspectiva sobre a sua situação, mas permite que você identifique os objetivos que podem ir além do seu próprio interesse.


Veja se isto faz sentido para você: Se nossos objetivos são puramente egoístas, eles não são susceptíveis de ser muito gratificante, a longo prazo. Mas os objetivos que servem um propósito além da nossa própria felicidade e bem-estar criam significado em nossas vidas. Eles nos ajudam a sentir-se útil e dar-nos um sentido de propósito de que vale a pena viver a vida que se vive.


Para a execução desta tarefa proponho o método desenvolvido por Ishin Yoshimoto. Seu método pede para considerar três questões durante o processo de reflexão e análise de si.


1. O que eu tenho recebido de _____?

2. O que eu tenho dado a _______?

3. Que problemas e dificuldades que causei ______?


Você pode usar essa estrutura para refletir sobre uma pessoa específica que conviveu com você neste ano. Por exemplo, você pode refletir sobre o seu cônjuge, seu melhor amigo, seu chefe, um colega de trabalho ou de sua mãe.


Yoshimoto recomenda que se invista 60% do nosso tempo refletindo sobre a terceira questão - os problemas e dificuldades que causou a outra pessoa. Esta é a pergunta mais desafiadora e que obriga a se colocar no lugar da outra pessoa. Em essência, a pergunta é: "Como é para o meu marido estar casado com alguém como eu?" ou "Como é para o meu chefe trabalhar com alguém como eu?"


Você pode passar vários dias refletindo sobre sua vida ou várias horas. Então, faça o que você pode. Anote em seu caderno as respostas que encontrar. Em seguida, passe para identificar algumas metas para o próximo ano.




TERCEIRA TAREFA: Escreva suas metas para o próximo ano


A escrita é um processo maravilhoso para ajudar a cristalizar seus pensamentos. Então, anote algumas metas. Faça uso neste momento de suas anotações da tarefa de autoanálise como um recurso.


Uma ideia que eu encontrei útil é identificar as pessoas chave que o têm apoiado e, identificar algo que eu gostaria de fazer ou dar a cada uma dessas pessoas.


Por exemplo, Grazi deixou de fazer seu trabalho para me ajudar a marcar as visitas que precisava para prospectar novos negócios este ano. Suzi me deixou usar a suas formas de bolo para fazer os meus, assim pude ganhar dinheiro para comprar as minhas. Então, reconheço o apoio, e vejo o que posso contribuir.


Eu tento limitar minha lista para não mais do que sete pessoas que me auxiliaram no ano, faço uma meta para cada qual dos 7 que contribuíram comigo neste ano. Assim que eu tiver concluído a minha lista com os sete, e lembrado da satisfação que conquistei com o apoio de cada qual parto para a construção do objetivo do ano seguinte. É bem fácil – no diário que tenho escrevo duas colunas – a pessoa e a ação que vou empreender no ano seguinte.


É bom lembrar, algumas das pessoas na minha lista foram úteis em aspectos importantes no ano. Outros forneceu apoio de muitos anos atrás. Quando estamos diante de um desafio ou dilema e alguém nos ajuda. Nós percebemos o quão desafiador nossa situação teria sido se eles não tivessem nos apoiados - com o tempo, dinheiro, conselho ou ajuda prática a fazer o que precisava ser feito.


Mas essa consciência desaparece rapidamente como a nossa vida se move para frente e nós já não se lembra do impacto da sua ajuda. Então, é importante dedicar tempo para refletir. E nesta hora aqueles que tem o hábito de fazer o seu diário ou então a conserva das realizações e gratidões podem fazer uso de suas ferramentas.


Às vezes, é apenas uma questão de nosso desvanecimento da memória. Em outros casos, pode haver alguma tensão ou dificuldade com essa pessoa, então não vemos mais os atos anteriores de apoio como muito importante.


Então, tirar um tempo para refletir e construir uma série de metas / presentes em torno destas constatações dá uma oportunidade de retribuir, pelo menos, de alguma maneira, e de mostrar a gratidão.